Principal Últimas Em Destaque STF nega seguimento de ação do governo de SC que questionava rito de impeachment
STF nega seguimento de ação do governo de SC que questionava rito de impeachment

STF nega seguimento de ação do governo de SC que questionava rito de impeachment

0
0

Dessa forma, processo contra governador Carlos Moisés e vice-governadora Daniela Reinehr segue trâmite do tribunal de julgamento em Santa Catarina.

O Supremo Tribunal Federal (STF) negou nesta segunda-feira (28) seguimento à ação movida pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE) que questionava o rito do processo de impeachment. Como a ação não foi sequer conhecida, a ministra Rosa Weber deixou de analisar o pedido de suspensão do processo contra o governador Carlos Moisés (PSL) e a vice-governadora Daniela Reinehr (sem partido).

A PGE disse que só vai se manifestar depois de ter acesso à decisão. O teor completo do documento do STF não havia sido publicado até a noite desta segunda. Com a decisão, o processo de impeachment contra Moisés e Reinehr segue o trâmite no tribunal de julgamento.

A Procuradoria-Geral entrou com a ação no STF em 9 de setembro. Moisés e Reinehr são alvo de dois processos de impeachment, que estão em duas fases diferentes. O mais antigo deles está na etapa do tribunal de julgamento e o segundo, formou comissão na semana passada.

Na sexta-feira (25), o tribunal de julgamento do primeiro pedido de impeachment contra Moisés e Reinehr teve a primeira sessão. Nela, foi feito o sorteio do relator, função que ficou com o deputado Kennedy Nunes (PSD). Formam o tribunal de julgamento cinco parlamentares e cinco desembargadores.

A partir desta segunda (28), o relator tem 10 dias para fazer um parecer indicando se a denúncia contra Moisés e Reineihr deve ou não ser aceita pelo tribunal de julgamento. A votação deste parecer deve ocorrer na segunda quinzena de outubro.

O tribunal de julgamento foi formado após os deputados da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) votarem pela continuidade do processo de impeachment, o que ocorreu em 17 de setembro.

A solicitação de afastamento do governador e da vice foi oficializada em julho e aponta suspeita de crime de responsabilidade em aumento salarial dado aos procuradores do estado em 2019. As defesas de Moisés e Reinehr negam que tenha havido crime de responsabilidade fiscal.

Segundo pedido de impeachment

Na quinta-feira (24), foram definidos o relator, presidente e vice-presidente da comissão na Alesc que analisa o segundo pedido de impeachment contra o governador e a vice-governadora.

O relator, deputado Valdir Cobalchini (MDB), precisa fazer um parecer indicando se a denúncia deve ou não ser aceita. Em seguida, esse parecer é votado pela comissão. Se a denúncia seguir, ela é votada em plenário, como ocorreu no primeiro pedido de impeachment.

A denúncia contra Moisés e Reinehr foi feita por um grupo de 16 pessoas, entre empresários e advogados. Eles afirmaram que o governador cometeu crime de responsabilidade no episódio da compra dos 200 respiradores por R$ 33 milhões com dispensa de licitação e no processo de contratação do hospital de campanha de Itajaí, que acabou cancelada. Além disso, disseram que ele prestou informações falsas à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos respiradores e não adotou procedimentos administrativos contra os ex-secretários Helton Zeferino, da Saúde, e Douglas Borba, da Casa Civil, investigados no caso dos respiradores. Em relação à vice, os denunciantes disseram que ela cometeu crime ao se omitir no caso da compra dos aparelhos por R$ 33 milhões.

O advogado de Moisés, Marcos Probst, afirmou que vai apresentar defesa à comissão na próxima terça (29). A advogada Ana Blasi, que defende Reinehr, disse que “ela [vice] não assumiu o governo do estado em momento algum durante a pandemia. Todos os momentos em que ela soube dos episódios envolvendo o hospital de campanha e respiradores ela encaminhou ofícios para a assembleia, para o Tribunal de Contas, para o próprio governador, para a Secretaria da Saúde. São mais de 10 ofícios encaminhados. Ela tomou as atitudes que podia, não se manteve inerte. A acusação é totalmente infundada”.

Um terceiro pedido de impeachment contra o governador foi entregue pela CPI dos Respiradores à Alesc em 8 de setembro. De acordo com a assembleia, esse documento seguia em análise até a publicação desta notícia.

Em colaboração com o site G1 Santa Catarina