Principal Últimas Secretário de Saúde de SC participa de reunião com Pazuello sobre plano de vacinação
Secretário de Saúde de SC participa de reunião com Pazuello sobre plano de vacinação

Secretário de Saúde de SC participa de reunião com Pazuello sobre plano de vacinação

0
0

O secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, e governadores de todo o país se reúnem de forma virtual nesta terça-feira (8), às 11h, com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. A expectativa é que seja debatido o plano de imunização para os estados brasileiros diante da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés da Silva (PSL), não esteve no encontro pois cumpre agenda na região do Meio-Oeste catarinense.

Santa Catarina adotou a opção de seguir a linha do governo federal, ou seja, o Estado não deve procurar a vacina por contra própria, como São Paulo, por exemplo.

O objetivo é seguir o PNI (Plano Nacional de Imunização). Essa escolha depende também da chancela da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e de prioridades para imunização no Brasil.

“Santa Catarina está alinhada ao PNI do Ministério da Saúde. A SES já está preparando a logística com o redimensionamento da rede de frios [algumas vacinas podem precisar de temperaturas de até menos 40ºC], mapeamento dos locais para vacinação [unidades básicas de saúde e salas de vacina] em parceria com municípios, além do reforço do treinamento das equipes de vacinadores”, disse a secretaria em nota.

Em uma entrevista sobre a logística para a chegada da vacina em Santa Catarina última sexta-feira (4) , o secretário estadual de Saúde descartou a possibilidade de firmar protocolos de forma direta com laboratórios. “Isso não faz sentido. Fazer movimentos individuais é muito perigoso”, disse André Motta.

São Paulo se adianta

Em São Paulo o governador João Doria anunciou que a vacinação no estado paulista começará em 25 de janeiro.

O governo federal informou nesta segunda-feira que deve assinar nesta semana o memorando de intenção para a compra de 70 milhões de doses da vacina produzida pela Pfizer e pela Biontech.

O imunizante deve ser fornecido em 2021. A data e distribuição por estados, contudo, não foram especificadas.

Fecam vai a São Paulo

Uma comitiva com a diretoria da Fecam (Federação Catarinense de Municípios) e prefeitos catarinenses vai a São Paulo para assinatura de um protocolo de intenções com o Butantan nesta quinta-feira (10).

O objetivo é permitir que, após a aprovação da Coronavac, os municípios de Santa Catarina possam comprar doses da vacina independentemente do plano nacional ou estadual.

A Coronavac será produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, em São Paulo, por meio de uma parceria com o laboratório chinês Sinovac Biotech. A vacina está na última fase de testes e aguarda os resultados sobre eficácia. Após isso deverá passar por análise da Anvisa para ser liberada no Brasil.

Conforme o médico, especialista em políticas de saúde e consultor da Fecam, Jailson Lima, o objetivo é que os prefeitos possam adquirir as vacinas uma vez que “não há um plano nacional vacinas nem qual tipo será fornecida para Santa Catarina”.

“O objetivo é criar esse elo para que os prefeitos catarinenses possam adquirir a Coronavac. Queremos ver se nesse acordo conseguimos o mínimo necessário para pessoas de risco em Santa Catarina”, reforça o médico.

A reportagem questionou a SES sobre o movimento da Fecam, que apenas reforçou que o Estado está alinhado ao PNI.

Com informações do NDMais