Principal Últimas Em Destaque SC tem novas regras para restaurantes e eventos a partir desta segunda; veja o que muda
SC tem novas regras para restaurantes e eventos a partir desta segunda; veja o que muda

SC tem novas regras para restaurantes e eventos a partir desta segunda; veja o que muda

0
0

As novas regras para o funcionamento de bares e casas noturnas e para a realização de eventos em Santa Catarina passam a valer a partir desta segunda-feira (30). E com novos regramentos, é importante ter atenção ao que está permitido e proibido no Estado.

Capacidade de ocupação em restaurantes, bares e afins

Um dos pontos alterados pelas portarias publicadas no último dia 26, por exemplo, tem relação com a capacidade máxima de ocupação nesse tipo de estabelecimento, que varia conforme o cenário da pandemia e a avaliação de risco em cada região. Veja:

  •  Gravíssimo (cor vermelha): até 100 pessoas;
  • Grave (cor laranja): até 200 pessoas;
  • Alto (cor amarela): até 300 pessoas;
  • Moderado (cor azul): até 500 pessoas.

Apesar desse limite de ocupação, a regra para cada restaurante, pub e afins ainda depende do tamanho do espaço e do fator de distanciamento social, também conforme nível de risco. O fator é de 2,0 no nível gravíssimo, 1,8 no nível grave e 1,5 nos níveis alto e moderado.

Assim, se um restaurante tem salão de 100 m² e está em uma região de risco alto, o cálculo é feito a partir da divisão do tamanho do salão (100) pelo fator de distanciamento (1,5) o que, neste caso, resultaria em 66 clientes sentados.

Já em áreas externas, é preciso seguir o distanciamento de 1,5 m entre as mesas. O acesso à pista de dança continua proibido e os participantes devem usar máscara todo o tempo, exceto quando estiverem sentados durante o consumo.

Regras específicas para o setor alimentício

Os estabelecimentos do setor alimentício, como lanchonetes, confeitarias, sorveterias, restaurantes, pizzarias, churrascarias, bares e afins, devem seguir algumas regras específicas.

Uma delas é a utilização obrigatória de máscaras do tipo PFF2 ou N95 pelos trabalhadores desses locais durante todas as atividades. Além disso, eles também devem usar protetores faciais quando necessário.

O limite máximo de pessoas nas mesas deve respeitar a avaliação de risco de cada região. Nos casos em que os ocupantes comprovadamente vivem na mesma casa, há limite de até seis clientes por mesa nos níveis gravíssimo e grave e até oito por mesa nos níveis alto e moderado.

Regramento para eventos corporativos

No caso dos eventos corporativos, os organizadores devem controlar o acesso de participantes, trabalhadores e fornecedores com lista de presença, mantendo a lista de contato de todos (nome, documento, e-mail e telefone) enquanto durar a pandemia.

Máscaras continuam obrigatórias, com retirada apenas durante o consumo de alimentos e bebidas, o que só pode ocorrer enquanto os participantes estiverem sentados.

Na recepção, deve haver marcação no piso com distanciamento de 1,5 metro, além de disponibilização de álcool em gel em cada mesa e em pontos estratégicos do espaço.

Regras para o decorrer dos eventos

Durante a realização dos eventos, o uso de sofás, mesas e cadeiras com superfícies higienizáveis só é permitido em áreas comuns, sendo que os assentos devem ser reduzidos para a capacidade, evitando o compartilhamento.

O uso de bebedouros de jato inclinado é proibido em espaços comuns, devendo ser desativados ou adaptados para uso com copo. Balcões de credenciamento e caixas devem ter barreiras físicas e os trabalhadores devem usar máscaras PFF2 ou N95.

Em eventos com apresentações musicais, o uso desse tipo de máscara com cobertura de nariz e boca é obrigatório para todos os artistas que não estiveram em apresentação vocal, assim como para todos os integrantes da equipe de produção.

Se houver coffee break, deve ser servido em kits individuais, sendo proibida a disponibilização de garrafas térmicas, colheres pra café e chá e outros utensílios em balcões.

Segundo o secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, a atualização das regras tem o objetivo de avançar na retomara das atividades com prudência.

“As regras vem não para penalizar, mas para promover ambientes em que as pessoas possam frequentar com segurança, servindo também para impulsionar a economia local”, disse.

Com informações do ND+