Principal Blog Nilton Veronesi Reforma Administrativa da PMT é aprovada
Reforma Administrativa da PMT é aprovada

Reforma Administrativa da PMT é aprovada

0
0

Com exceção do vereador José Luís Tancredo, todos os outros edis votaram pela aprovação da Reforma Administrativa enviada pela Prefeitura de Tubarão à Câmara de Vereadores.

Alguns pontos a destacar.

  • A reforma não é técnica, é política. É evidente a falta de espaços em primeiro escalão. Suplentes com expressiva votação e partidos da base, que elegeram vereadores(Republicanos, Cidadania e PL), reivindicam espaços. Além de compromissos pessoais do prefeito Ponticelli e do vice Caio (Kércia Menegaz, Evandro Almeida e Deka May, por exemplo).
  • Dizer que a máquina administrativa da PMT não vai ficar mais inchada, é balela de quem quer defender o governo. A folha só não aumenta até 31/12/2021, devido o decreto presidencial, em que o presidente Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes exigiram que as verbas repassadas pela União, aos municípios e estados, durante a pandemia, não poderiam ser utilizadas no aumento de salários de servidores e de cargos. Resumindo: os vereadores aumentaram a estrutura e deram a possibilidade da prefeitura aumentar os gastos a partir do ano que vem.
  • A partir de 2022, os salários poderão ser aumentados e – com exceção do vereador José Luís Tancredo – nenhum vereador poderá dizer que o alerta não foi feito.
  • Decepcionante, na minha análise, ver os vereadores Felippe Tessmann (PSC) e Estener Soratto (PL) votarem a favor da reforma. Um dia querem diminuir custos da Câmara de Vereadores – até onde sabemos, sem abrir mão dos próprios privilégios – no outro votam a favor do aumento da máquina da municipalidade. No mínimo incoerente.
  • O prefeito Joares tem legitimidade para aumentar a máquina. Sempre defendeu essa ideia, inclusive durante a campanha, quando era atacado por adversários. Não é uma ideia nova. Fez 35 mil votos defendendo essa bandeira. Não concordo e já falei pessoalmente ao prefeito, mas ele tem sim o aval da maioria dos votos válidos para governar desta maneira.