Principal Últimas Quatro casos suspeitos de reinfecção por coronavírus são investigados em SC
Quatro casos suspeitos de reinfecção por coronavírus são investigados em SC

Quatro casos suspeitos de reinfecção por coronavírus são investigados em SC

0
0

Quatro casos suspeitos de reinfecção pelo coronavírus são investigados em Santa Catarina. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES), as amostras dos pacientes já foram enviadas ao Rio de Janeiro para uma análise. As informações foram divulgadas pela pasta nesta sexta-feira (11).

Um dia antes, na quinta-feira (10), o Ministério da Saúde havia confirmado o primeiro caso de reinfecção pela doença no país. O órgão disse trata-se de uma profissional da área da saúde, de 37 anos, que reside em Natal e trabalha no Rio Grande do Norte e na Paraíba.

Segundo a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive-SC), os quatro casos em investigação em território catarinense são de outubro. Os detalhes e as identidades dos pacientes não foram divulgados. Também não há prazo para que os resultado sejam prontos.

Segundo Fabio Gaudenzi, infectologista da Dive-SC em uma entrevista, ainda é necessário entender quais os “gatilhos” para os pacientes desenvolvam a nova infecção.

“Será feito o sequenciamento genético desses dois vírus, do primeiro episódio e do segundo episódio, e a partir de então se estabelece se há uma diferença genética suficiente nesses dois vírus para que a gente consiga caracterizar que não é o mesmo episódio, mas sim que se tratam de dois vírus realmente diferentes”, explicou Gaudenzi.

Investigação

Casos de pessoas infectadas pela segunda vez pelo novo coronavírus existem, mas são raros, e a ciência ainda não definiu com qual frequência eles ocorrem. No fim de outubro, o Ministério da Saúde divulgou uma nota técnica com regras para a definição de casos suspeitos de reinfecção.

O caso acontece quando a pessoa se recupera da Covid-19 e tempos depois ela adoece novamente. Para confirmar a recontaminação, é preciso provar que o código genético do primeiro vírus é diferente do segundo. O código genético é como se fosse uma impressão digital do vírus.

Com informações do G1 SC