Principal Últimas Quaresmeiras plantadas em avenida são alvo de vandalismo em Tubarão
Quaresmeiras plantadas em avenida são alvo de vandalismo em Tubarão

Quaresmeiras plantadas em avenida são alvo de vandalismo em Tubarão

0
0

As árvores conseguem agir simultaneamente sobre o aspecto físico e mental, produzem sentimentos atenuantes com relação ao estresse urbano, devido ao aprimoramento do senso estético, além de garantir nossa sobrevivência, minimizando diversos impactos ambientais produzidos pelas mais diversas ações humanas.

A vegetação, pelos vários benefícios que pode proporcionar ao meio urbano, tem um papel muito importante no restabelecimento da relação entre o homem e o meio natural, garantindo melhor qualidade de vida. Atualmente, a maioria da população humana vive no meio urbano, necessitando, cada vez mais, de condições que possam melhorar a convivência dentro de um ambiente muitas vezes adverso.

A arborização urbana é definida como o conjunto da vegetação arbórea natural ou cultivada que uma cidade apresenta. A grande maioria dos guias de paisagismo considera como ideal para as áreas urbanas a existência de 12 metros quadrados de área verde por habitante. Infelizmente, quase todas as cidades do Brasil estão distantes deste índice.

A arborização de uma cidade, assim como a presença de áreas verdes, é da mais alta importância para a qualidade de vida da população. Além de absorver ruídos, diminuir o calor do sol, constituir filtro para a purificação do ar, entre outros, também é responsável pela melhoria ambiental e paisagística dos imóveis, valorizando-os economicamente.

Por outro lado, as pessoas necessitam do telefone, do esgoto, da água, da energia elétrica, da insolação e da luminosidade. Há, portanto, a necessidade de conciliar a arborização urbana e de nossas residências com os equipamentos públicos e com o nosso bem-estar e segurança.

O plantio de árvores em locais inadequados ocasiona vários prejuízos, além de riscos de acidentes à população, exigindo muitas vezes a realização de desbastes, podas drásticas e até mesmo a eliminação das árvores existentes. Estas ações obrigatórias em muitos casos desfiguram as árvores, provocando muitas vezes o descontentamento da população. Isso pode ser evitado desde que se faça um planejamento de modo a plantar árvores adequadas em locais certos.

A arborização das vias públicas é um componente muito importante da arborização urbana que, infelizmente, por muito tempo foi pouco reconhecido do ponto de vista técnico, administrativo e às vezes de alguns cidadãos.

No último dia 19 de setembro, para comemorar o Dia da Árvore, a Fundação Municipal de Meio Ambiente de Tubarão – FUNAT, em ação conjunta com o Rotary Club de Tubarão, promoveu a 1ª etapa da arborização da Rua Padre Geraldo Spettmann, quando na oportunidade foram plantadas 75 mudas da espécie oriunda da Mata Atlântica, a Tibouchina granulosa, conhecida popularmente pelo nome de Quaresmeira, uma árvore tipicamente brasileira. Seu nome popular é devido à cor das flores e época de floração: entre os meses de janeiro e abril (período da quaresma), e também em junho-agosto.

A segunda etapa da arborização foi realizada no último dia 10 de dezembro, o início da primavera. Salienta-se que todos os exemplares plantados foram oriundos de medidas compensatórias exigidas pela Fundação de Meio Ambiente em processos de licenciamento ambiental onde ocorreram a supressão de vegetação.

Lamentavelmente, observou-se que na primeira quadra onde o plantio foi realizado, que todas as mudas plantadas acabaram morrendo e, todos os sinais e evidências, levam a crer que ocorreram em virtude da aplicação de algum herbicida ou algum outro produto agroquímico com o claro objetivo de exterminá-las. Tal suspeita é reforçada pelo aspecto da vegetação rasteira (gramíneas) plantadas anteriormente nos canteiros que ficaram com o aspecto queimado justamente no entorno onde as mudas haviam sido plantadas.

Salienta-se que, conforme estabelece a Lei 9605/1998, conhecida como Lei de Crimes Ambientais, que em relação à arborização urbana estabelece punição aquele que destrói, danifica, lesa ou maltrata, por qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradouros públicos ou em propriedade privada alheia: Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente. Parágrafo único. No crime culposo, a pena é de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa (art. 49).

Em razão de tal fato, e cientes do que determina a Constituição Federal no seu art. 225: “Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações” a FUNAT registrou um Boletim de Ocorrências (B.O.) para que seja verificado o que de fato ocorreu no local, uma vez que estão envolvidos recursos públicos como uso de mão de obra, equipamentos e insumos, bem como o dever de combater o vandalismo contra um bonito projeto que ocorreu em parceria entre Poder Público Municipal e a sociedade civil representada por uma importante associação de Clubes de Serviços.

Com Informações Hcnoticias