Principal Últimas Em Destaque Noticom promove live solidária em prol da Apae e do Soldado Esmeraldino
Noticom promove live solidária em prol da Apae e do Soldado Esmeraldino

Noticom promove live solidária em prol da Apae e do Soldado Esmeraldino

0
0

O Noticom, em parceria com o Taiken Hangar 737, promove no dia 10 de julho uma live beneficente, que visa angariar fundos para compra de cestas básicas para a Apae e a construção de um espaço para o tratamento do Soldado Esmeraldino, policial militar tubaronense baleado no ataque terrorista a Criciúma em novembro de 2020.

Com a suspensão do estacionamento rotativo, em Tubarão, a Apae, uma das instituições com maior credibilidade entre os tubaronenses, perdeu uma importante fonte de receita. Além de toda estrutura disponibilizada aos alunos, a associação dá suporte a 168 famílias, com: cestas básicas e acompanhamento profissional.

O caso do PM Jeferson Esmeraldino é muito delicado. Depois de ser fuzilado em Criciúma por criminosos, no ataque ao Banco do Brasil no ano passado, o policial ficou entre a vida e a morte. Com muita força, conseguiu sobreviver, porém precisa de alguns cuidados especiais. Hoje, o tratamento é feito em um cômodo da casa da mãe, que não é o mais adequado. Para construir uma “mini UTI” na edícula da residência, o Batalhão de Polícia Militar da 5ª Região está promovendo uma campanha, Pelotão Solidário, que visa angariar R$200 mil, valor necessário para a construção.

A meta da live Arraiá Solidário Noticom Taiken é arrecadar o suficiente para a compra de 200 cestas básicas para a APAE e, pelo menos, R$15 mil, que será repassado à campanha Pelotão Solidário, para a construção de um cômodo para o tratamento do policial. Pix para doações: 48999954106

Esta é a quarta live solidária realizada pelo Noticom. Nas outras três, foram arrecadadas mais de 1.000 cestas básicas, mais R$15 mil para o tratamento da menina Maria Alice, acometida por uma paralisia cerebral e não assistida pelo poder público. Além disso, artistas, empresas de decoração, som, luz e transmissão, setores muito prejudicados pela pandemia, recebem o cachê e fazem um “extra”, já que, em alguns casos, esses serviços deixaram de acontecer há mais de um ano.