Principal ESPORTES Mata-mata: a adaptação ou o atraso?
Mata-mata: a adaptação ou o atraso?

Mata-mata: a adaptação ou o atraso?

0
0

Para o esporte catarinense de alto rendimento, o ano atípico em virtude da Covid-19 é sinônimo de incertezas perante o calendário de competições. Os Jogos Abertos (JASC) vai ocorrer? Como ficará o Jogos Estudantis de Tubarão (Jetuba)? São perguntas que ainda não têm respostas.

Enquanto se espera o futuro imprevisível, as equipes e as associações tubaronenses permanecem com os treinos, atentas ao que a Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte) esclarece. Segundo o presidente do órgão estadual, Ruy Godinho, existe uma necessidade de replanejar e de adaptar o calendário de disputas.

“É uma dificuldade muito grande pois se faz há 60 anos da mesma forma e quando falo em inovações há uma resistência sim; nós não vamos perder o que conquistamos e digo que estamos nos reinventando. A Fesporte não é mais apenas uma realizadora de eventos, mas uma fomentadora do esporte”, frisou Ruy. 

O presidente propõe a alteração no sistema de classificação nas modalidades coletivas. A mudança busca otimização de espaços e tempo. Diminuição no número de classificados, sistemas de mata-mata (encurtamento das fases) e não utilizar escolas como alojamentos. Assim, estima-se uma economia de 50% aos cofres do Estado.

A Fesporte planeja a retomada a partir de julho. Diante da exposição de Ruy, o vice-prefeito de Tubarão, Caio Tokarski, afirma que a readequação do calendário é um caminho a ser pensado, já que no ponto de vista da segurança, existe a vulnerabilidade quanto ao vírus. Contudo, ele revela das perdas que isso vai significar para o esporte catarinense.

“Pensando no que os Jogos Abertos se transformou nos últimos 50 anos, é uma diminuição na participação dos atletas, além de tirar um pouco do espírito dos jogos em congregar pessoas. Para este ano, eu concordo em utilizar esse sistema, mas para os próximos, penso que é um passo para trás em relação a competição”, declara Caio.

O mata-mata: o formato de eliminação simples é conhecido popularmente como mata-mata, onde as equipes são divididas em um chaveamento e, jogando entre si, elas têm apenas uma chance de passar de fase. Assim, prossegue na disputa somente os vencedores, até que se conheça o campeão do torneio.

Tal sistema é usado na Olesc, Joguinhos Abertos e Jogos Abertos de Santa Catarina, contudo, somente após a fase de grupos. Nesta, as modalidades coletivas dos municípios são divididas por grupos através de um sorteio. Após o sorteio dos municípios, a disputa é dividida em dois ou mais grupos que disputam entre si.

Então, em cada chave, as equipes jogam de três ou mais partidas e são classificadas por pontuação: vitória vale três pontos, empate um e derrota zero. Os dois melhores colocados passam para as quartas de final, as quais são adotadas o sistema de mata-mata.