Principal Blog Nilton Veronesi “Lagoa do Camacho” agoniza
“Lagoa do Camacho” agoniza

“Lagoa do Camacho” agoniza

0
0

Não dá para acreditar que o Governo do Estado de SC vá resolver problemas crônicos, de difícil solução, que necessitam de muita grana, se não conseguem sequer resolver o desassoreamento da Barra do Camacho.

A inércia, de quem pode resolver, está matando – literalmente – a fauna e flora daquela região. Essa manhã milhares de peixes foram encontrados mortos, onde deveria existir uma lagoa.

Deputados federais, que podem indicar R$15 milhões em emendas por ano, para solucionar esse tipo de demanda, só usam o Camacho para fazer politicagem. O Governo do Estado, que comemora recordes de arrecadação, finge que não vê. Mas também não dá para confiar em governadores (para ser bem claro, Moisés e Daniela), que não conseguem construir uma rótula, como é o caso na SC-370, que prometeram há mais de um ano e até agora nada.

Talvez se a Veigamed tivesse participado da licitação, as coisas… Deixa pra lá!

Pra não ser injusto com a incompetente classe política, vejo que um deputado estadual tem esperneado para encontrar uma solução, obviamente, sem sucesso, já que uma andorinha não faz verão e um parlamentar não desassoreia a barra. Felipe Estevão é presidente da Comissão de Pesca na Alesc e fez um discurso na última semana para tentar sensibilizar autoridades. “Quando se tem prioridades, planejamento, as coisas acontecem. Essa situação na Barra do Camacho é uma vida inteira de angústia e incerteza. O local está fechado e agora com a safra da tainha chegando, os pescadores só vão ver passar. Ou elegemos isso como prioridade se coloca no orçamento [do Estado] ou vamos ficar apenas falando”, argumentou o lagunense.

Vejo algumas ONGs ligadas ao meio ambiente vociferarem contra iniciativa privada e, neste caso, permanecem num silêncio ensurdecedor. Daqui a pouco, a população vai começar a achar que essas organizações são de cunho político e não ambiental.

Enquanto poucos entendem a Barra do Camacho como prioridade, ela agoniza. E a politicada, pra variar, politiza.