Principal Últimas Em Destaque Júri em Araranguá condena quatros homens por homicídio triplamente qualificado
Júri em Araranguá condena quatros homens por homicídio triplamente qualificado

Júri em Araranguá condena quatros homens por homicídio triplamente qualificado

0
0

Quatros homens foram condenados, em Sessão do Tribunal do Júri da comarca de Araranguá, a 44 anos – somando as penas – de prisão pelo homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver de um homem ocorrido em junho de 2018, no Bairro Vila Isabel, em Balneário Arroio do Silva.  A sessão, presidida pela juíza Thania Mara Luz, titular da 1ª Vara Criminal da comarca de Araranguá, foi promovida na última quarta-feira, dia 11.

Na acusação, atuou o promotor de justiça Gabriel Ricardo Zanon Meyer, e na defesa, os advogados Gian Carlos Goetten Setter, Leonardo Henrique Mallmann, Diego Pablo de Campos Maciel, Renan Cioff de Sant’ Ana, Priscila Serafin Proenca e Joyce Ferreira de Oliveira.

Segundo a denúncia, os réus invadiram a casa da vítima e a agrediram com socos, chutes, pedras, pedaços de pau e com uma faca, que foi usada para cortar a garganta da vítima, posteriormente o cadáver foi jogado em um matagal.  O crime teria sido cometido por vingança, já que os réus acreditavam que a vítima teria furtado a residência de um parente de dois dos réus.

Na sessão, o Conselho de Sentença reconheceu que o homicídio foi praticado por motivo fútil com emprego de recurso que dificultou a defesa da vítima. Dos cinco réus pronunciados, quatro réus foram condenados e um deles absolvido.  Um dos réus foi condenado por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver a  17 anos de prisão, outros dois por homicídio triplamente qualificado, um a 14 anos de prisão e o  outro a 12 anos, e um réu foi condenado por ocultação de cadáver a 1 ano e quatro meses. Os réus devem cumprir a pena em regime inicial fechado, ainda à eles foi negado o direito de recorrer em liberdade. Cabe recurso da decisão ao TJSC. O processo tramitou em segredo de justiça.

Colaboração: Jornalista Fernanda de Maman / Com informações do Engeplus