Principal SAÚDE FMS alerta sobre uso de remédio anti-inflamatório em tratamento contra Covid-19
FMS alerta sobre uso de remédio anti-inflamatório em tratamento contra Covid-19

FMS alerta sobre uso de remédio anti-inflamatório em tratamento contra Covid-19

0
0

Há alguns dias, circulam nas páginas de redes sociais um alerta aos usuários contra o uso de ibuprofeno para pacientes que possam ter contraído o Covid-19, o novo tipo de Coronavírus. A polêmica surgiu após comunicado do ministro de saúde da França, que divulgou uma pesquisa sobre o assunto, no último sábado (14). A princípio, a questão levantou diversos questionamentos, mas os profissionais de saúde recomendam deixar o anti-inflamatório de lado.

O estudo publicado na revista científica “The Lancet”, no qual o francês se referia, concluía que pacientes com diabetes e hipertensão, que eram tratados com ibuprofeno, poderiam ter mais riscos de desenvolver quadros severos de Covid-19. Em resposta, mesmo não tendo uma confirmação concreta sobre o fato, a Organização Mundial de Saúde (OMS) desaconselhou, nesta terça-feira (17), a utilização do ibuprofeno para aliviar os sintomas do Coronavírus.

Diversos questionamentos são realizadas sobre a substância presente em anti-inflamatórios que podem agravar a doença. De acordo com o coordenador dos médicos da Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Tubarão, Matheus Bagattini, assim como o Ministério da Saúde alerta, não há comprovação científica que justifique a substituição do ibuprofeno. No entanto, ele aconselha a utilização de outros medicamentos, que só devem ser ingeridos após prescrição médica.

“Os anti-inflamatórios não esteroidais em geral, e não só no caso do vírus Covid-19, podem alastrar um pouco o caso. Apesar do alívio dos sintomas, o trajeto viral fica mais fácil. É muito comum isso. O paciente toma o remédio, aparentemente se sente bem, só que a infecção que duraria cinco dias, passa para 10”, comenta o médico. Portanto, a FMS ressalta a importância do cuidado com a ingestão não prescrita de remédios. O órgão indica que, em caso de sintomas, uma consulta é a melhor saída para uma boa avaliação e posterior prescrição médica.