Principal Blog Nilton Veronesi Em reunião conciliatória, Unisul propõe pagar 70% do salário a 62% dos funcionários até o final de 2019
Em reunião conciliatória, Unisul propõe pagar 70% do salário a 62% dos funcionários até o final de 2019

Em reunião conciliatória, Unisul propõe pagar 70% do salário a 62% dos funcionários até o final de 2019

0
0

Desde o mês de março, a maioria dos funcionários da Unisul não recebem o salário na integralidade. O modus operandi tem sido mais ou menos o mesmo, pagam 70% e no decorrer do mês quitam o restante.

Ao que parece, a universidade quer transformar a exceção em regra. Explico. Em uma reunião realizada ontem, 14, em que estiveram presentes sindicatos, dirigentes da universidade, procuradora e desembargadora do trabalho, além de outros integrantes do judiciário, a Unisul formalizou uma proposta para pagar 70% do salário até o final do ano a 62% dos colaboradores.

Abaixo os valores propostos.

1 – Pagamento integral quem recebe até R$3.500 – Jornada maior que 30 horas semanais. Total: 637 empregados.

2 – Amortização de 70% para quem recebe mais que R$3.500 – Jornada maior a 30 horas semanais. Total: 618 empregados.

3 – Amortização de 70% para quem recebe menos de R$3.500 – Jornada menor a 30 horas semanais. Total: 711 empregados.

4 – Amortização de 70% para quem recebe mais que R$3.500 – Jornada menor a 30 horas semanais. Total: 316 empregados.

Lembrando que os 30% que ficaram dos meses de março e abril não foram pagos.

O que fizeram com a Unisul? Conselho curador parece que faz vistas grossas a tudo. O reitor relatou, em entrevista concedida ao Notícias da Cidade, que, com o “enxugamento”, o número de funcionários não passava de dois. São 2.282, sendo que 316 trabalham menos que 30 horas semanais – praticamente meio período e e recebem mais que R$3.500. Quem são esses privilegiados?

A Unisul sempre foi e sempre será uma caixa-preta gigante, que nunca será “aberta”. Não tem o mínimo de transparência. Uma teta enorme que alimenta uma dúzia de famílias ha décadas. Não à toa está prestes a quebrar. Poder público nada faz, às vezes parece ter medo que toda a situação seja aberta a sociedade.