Principal SAÚDE Doença do beijo: risco de infecção cresce no carnaval
Doença do beijo: risco de infecção cresce no carnaval

Doença do beijo: risco de infecção cresce no carnaval

0
0

O carnaval começa daqui a oito dias em todo o Brasil. Para brincar com segurança, os foliões devem estar atentos para não pegar mononucleose, conhecida como doença do beijo, cujo risco de infecção cresce nessa época.

É uma doença infectocontagiosa, causada por um vírus, de características clínicas brandas, que provocam um quadro de febre, mal-estar com adenomegalias, isto é, gânglios principalmente ao redor do pescoço e dor de garganta.

A doença não é transmitida pelo beijo em si. Na realidade, como ele é uma forma de contato íntimo, facilita a propagação do vírus. A patologia é transmitida de maneira semelhante à gripe, ao resfriado comum, pelo contato com secreções de pessoas contaminadas.

É fato. O carnaval sempre existiu, da mesma forma que mononucleose. Por isso, no meio da euforia, cada pessoa deve avaliar o risco, sabendo que as doenças respiratórias podem ser transmitidas pelo contato íntimo. A dica do Noticom é: cada um tome a sua decisão informado dos riscos e das possibilidades de transmissão de doença.