Principal ESPORTES Ascensão dos jogos eletrônicos: universitários promovem Copa de e-Sports Interatléticas Unisul
Ascensão dos jogos eletrônicos: universitários promovem Copa de e-Sports Interatléticas Unisul

Ascensão dos jogos eletrônicos: universitários promovem Copa de e-Sports Interatléticas Unisul

0
0

Por Kamila Melo

Futebol? Paralisado. Atletismo? Sem corrida nas pistas. Não há competições presenciais por conta da pandemia do novo coronavírus. Mas, quando o jogador ganha a pronúncia inglesa “gamer”, o contexto muda. Diferentes dos esportes convencionais, os e-Sports ganharam espaço no cenário esportivo durante as recomendações de isolamento social. O Campeonato Brasileiro de League of Legends (CBLOL), por exemplo, finalizou o 1º split, ou o 1º turno, e o 2º já está em andamento.

Em Santa Catarina, organizações universitárias realizam disputas on-line, integrando diversos acadêmicos do estado em competições de LOL, CS: GO, Pôquer, Fifa, Xadrez e Canastra. “As atléticas estão abraçando a causa dos e-Sports. Antigamente era mais difícil introduzir a ideia no meio acadêmico, pelo calendário apertado dos jogos tradicionais. No entanto, com a quarentena e todos em casa, os esportes eletrônicos tiveram um salto de demanda absurda”, afirma Igor Tiosso Batistetti, Diretor Operacional da Shiva Entretenimento.

Com sede localizada em Florianópolis, a empresa atua há três anos no cenário esportivo catarinense gamer. “Começamos em 2017 com campeonatos pequenos e, hoje, através de muito esforço e trabalho, conseguimos impactar mais de 1000 atletas que já passaram pelos nossos campeonatos”, completa Igor. E é justo essa experiência que transmitiu a confiança necessária em organizar a Copa de e-Sports Interatléticas Unisul (CEIU), primeira competição da universidade totalmente feita de forma virtual.

A disputa ocorre em dois fins de semana. Divididos em 16 equipes entre os campi de Tubarão, Florianópolis e Pedra Branca, neste sábado (27) e domingo (28), os players estarão on-line na chamada (call), prontos para cada teamfight ou round difícil. Todo o evento será transmitido. “Já tínhamos uma vontade de unir as unidades e fazer um campeonato para integrar todos. Como os jogos eletrônicos são feitos através da internet, não tem a preocupação da locomoção e outros gastos. Isso facilitou e colocamos a ideia em prática”, explica Manuella Fluck Vieira, presidente da comissão organizadora.

Além de movimentar a economia, a iniciativa passou a atingir um público que, de certa forma, era esquecido. “Entre os feedbacks que já recebemos é que pessoas que antes não eram atingidas pelos torneios presenciais, começaram a se envolver e competir pela sua atlética. Isso é muito importante. É uma oportunidade participativa”, revela Manu. Outro ponto importante são as novas relações sociais. Durante as transmissões, existem canais de conversa, como o chat na Twitch, onde os universitários podem torcer pela equipe do coração e ainda formar novas amizades.

Mas o que são os e-Sport?
O esporte eletrônico é um segmento competitivo dividido por modalidades, cada modalidade é representada por um jogo, podendo ser jogos de PC como League of legends e Counter-Strike: Global Offensive, jogos Mobile (para celular) como Free Fire ou os mais tradicionais jogos de consoles, como FIFA e Mortal Kombat. O mesmo empenho que um atleta de futebol tem em treinar passes e chutes, os atletas de esportes eletrônicos também têm em aprimorar suas mecânicas dentro de jogo.

Assim, o conhecimento tático, velocidade de resposta e a capacidade de adaptabilidade são valências fundamentais para obter sucesso nas lanes (zona) e mapas. “Os jogos estão em constante atualização, sempre surgindo algo novo para se aperfeiçoar”, explica o diretor Igor. Em resumo, é muito semelhante a um esporte tradicional. Toda modalidade (jogo) tem sua regra própria, comissão técnica, narrador, juiz, bem como uma infraestrutura por trás para garantir o bom andamento dos torneios.