Principal Blog Nilton Veronesi A incoerência do comandante
A incoerência do comandante

A incoerência do comandante

0
0

No primeiro ano de mandato, o governador Carlos Moisés comprou uma briga gigante com o agronegócio catarinense, condenando o uso do agrotóxico. Segundo o “comandante”, “o produto não era bom para o meio ambiente a para a vida.”

Esse posicionamento ficou evidente em entrevista à Folha. Entrevista esta, que tirou o catarinense das fileiras bolsonaristas. Em trecho icônico, Moisés diz “a gente vê nas redes sociais são militâncias extremas, ou extrema-direita ou extrema-esquerda, o pessoal da arminha. Para mim é muita sandice essas coisa.”

Bem, vamos nos ater aos ater aos agrotóxicos. Na mesma entrevista o governador de Santa Catarina fez a seguinte afirmação.

“Quando isento de imposto ou quando reduzo tarifa, estou dizendo ‘usem mais, isso é bom, é um produto essencial’. Agrotóxico não é bom. Jamais vou incentivar veneno que polui lençol freático, que deixa resíduos em hortaliças. Não existe margem segura para resíduos. É comprovado que causam problemas de saúde e doenças. Aplicar isenção sobre agrotóxico é uma excrescência política, jurídica, é uma irresponsabilidade de gestão. Qualquer pessoa que raciocine um pouco, que saia do padrão mediano, vai entender que não se pode incentivar o uso.”

Comovente a preocupação de Moisés com o meio ambiente e com a saúde do catarinense. Só não entendo o motivo pelo qual, o “comandante” não dá o mesmo carinho ao GNV.

Seu governo não adquire veículos com gás natural.

Seu governo não contrata veículos que utilize o gás natural.

Seu governo taxa cruelmente o GNV, se compararmos aos outros combustíveis e isso fica evidente na nova tabela do ICMS.

Matéria do NSC Total sobre essa taxação.

“Com o início do mês de fevereiro, passa a valer em Santa Catarina a nova tabela de Preço médio ponderado ao consumidor final (PMPF), que é determinada pelos governos estaduais e publicada no Diário Oficial pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). Pela nova tabela, o preço da gasolina comum passa de R$ 4,33 para R$ 4,45. O diesel S10 passa de R$ 3,36 para R$ 3,47, o etanol de R$ 3,72 para R$ 3,78 e o GNV de R$ 2,88 para R$ 3,32.”

Enquanto gasolina, etanol e diesel vão aumentar no máximo R$0,12, o gás natural terá um aumento de R$0,44. Quase quatro vezes mais.

Todo mundo sabe que as principais vantagens do GNV são:  a capacidade de produzir uma menor emissão de poluentes (muito menor) e a economia. A pergunta que fica: cadê aquela preocupação com o meio ambiente, com a saúde das pessoas e com o dinheiro público, que o Comandante Moisés mostrou no caso dos agrotóxicos?