Principal SEGURANÇA Vítima de homicídio é encontrada após cinco meses enterrada
Vítima de homicídio é encontrada após cinco meses enterrada

Vítima de homicídio é encontrada após cinco meses enterrada

0
0

Após uma semana preso, e várias versões da mesma história, o homem suspeito por assassinar Moisés Ribeiro revelou onde estava o corpo da vítima. Apenas no quinto interrogatório, Dener Inocêncio confessou ter enterrado o corpo em sua propriedade, localizada em São Martinho.

Na manhã desta sexta-feira (9) uma equipe da Policia Civil de Imbituba, juntamente com o Instituto Médico Legal (IML) e o Instituto Geral de Perícias (IGP) de Tubarão, foi ao local apontado por Dener, com ele presente, e localizou a ossada humana, enterrada, envolta em um plástico preto, após horas de escavação. “Assim que localizamos o corpo, foi acionado o helicóptero do SAER, que contribuiu para a retirada dele do local”, contou o delegado regional de Laguna, Raphael Giordani. .

A Polícia Civil de Imbituba cumpriu o mandado de prisão temporária contra Dener, no último dia 2, por suspeita de ter assassinado Moisés, cujo corpo estava desaparecido desde 2 de setembro do ano passado. De acordo com o delegado regional de Laguna, Raphael Giordani, o suspeito foi identificado por meio de uma intensa investigação, que incluiu quebra de sigilo telefônico, interceptação telefônica, quebra de sigilo bancário, quebra de sigilo telemático, busca e apreensão e acesso ao conteúdo dos celulares apreendidos. Todas as medidas foram devidamente autorizadas pela Justiça.

Logo após a prisão, ao ser confrontado com as provas existentes, em seu terceiro depoimento Dener confessou a autoria do homicídio. Segundo o acusado, ele teria acertado dois golpes na vítima e, em seguida, jogado Moisés, que estava desacordado, no interior do Rio Duna.

“Dando prosseguimento às investigações, apurou-se que a versão de Dener não correspondia com a realidade”, informou o delegado. Novamente interrogado, o investigado mudou a versão, salientando que havia tirado a vida de Moisés com um tiro na nuca e, posteriormente, jogado o corpo no fogo. Ao explicar as circunstâncias do crime, o investigado entrou em contradição novamente. Até que ontem (9) ele confessou o verdadeiro paradeiro da vítima.

 

Foto: Divulgação