Principal SAÚDE OMS divulga novas recomendações para o parto normal
OMS divulga novas recomendações para o parto normal

OMS divulga novas recomendações para o parto normal

0
0

A Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgou na última semana novas recomendações para garantir que grávidas saudáveis tenham uma experiência positiva na hora do parto natural. O principal objetivo é reduzir intervenções médicas desnecessárias. Pela primeira vez desde 2010, o número de cesarianas na rede pública e privada de saúde não cresceu no país. O Ministério da Saúde revelou que o número de cesarianas na rede pública e privada de saúde não cresceu no país em 2017. Dos 3 milhões de partos feitos no Brasil no período, 55,5% foram cesáreas, ainda muito acima da taxa mundial, que é de 18,6%.

Segundo a OMS, nem a ocitocina sintética, nem fluídos intravenosos devem ser aplicados para estimular contrações.  A checagem da dilatação deve acontecer a cada quatro horas na primeira fase do parto para mulheres com gravidez de baixo risco. Em relação ao controle da dor, a Organização pede que a anestesia peridural ou o uso de opioides sejam aplicados apenas quando mulheres saudáveis pedirem esse tipo de intervenção.

A agência recomenda ainda várias técnicas não farmacêuticas para o alívio da dor durante o trabalho de parto, como relaxamento muscular, música ambiente, técnicas de respiração, massagem e aplicação de bolsas de água quente. Mas isso tudo deve ser feito apenas a pedido da grávida. Além disso, se o trabalho de parto estiver ocorrendo sem problemas, a mulher deve ser estimulada a caminhar e consumir líquidos e alimentos.

Menos intervenções

Segundo a OMS, cerca de 140 milhões de nascimentos ocorrem por ano, a maioria sem complicações para mulheres e bebês. Mas nos últimos 20 anos, os profissionais de saúde “aumentaram o uso de intervenções que antes eram utilizadas apenas para reduzir riscos ou tratar complicações”. Com as novas orientações, a Organização busca reverter essa situação, visando inclusive reduzir o número de cesarianas quando o procedimento pode ser evitado.

Contato pele a pele

Após o nascimento, a OMS pede que os recém-nascidos sem complicações façam o contato pele a pele com a mãe na primeira hora após o nascimento, para prevenir hipotermia e para estimular o aleitamento. O banho deve dado apenas 24 horas após o nascimento e, se isso não for possível por razões culturais, a OMS pede que sejam esperadas no mínimo seis horas. Mãe e bebê não devem ser separados no hospital e ficar juntos 24 horas por dia.

O apoio das doulas

Para fugir da violência obstétrica, aquelas intervenções médicas padronizadas, as brasileiras que desejam parir com respeito têm buscado apoio através das doulas. Elas são mulheres com experiência e conhecimento em gestação, parto e puerpério. Além de conhecerem os processos, acreditam na natureza assim como as parteiras de antigamente.

“O papel da doula é orientar, desmistificar, explicar e acolher a gestante, parturiente e puérpera. Durante a gestação desmistificamos alguns procedimentos e orientações médicas, acolhemos medos e inseguranças, ajudamos na busca pelo conhecimento e empoderamento desta mulher”, informa a doula, Michele Wanderlind, que atua em Tubarão.

Ainda de acordo com ela, o modelo obstétrico vigente hoje no Brasil é um modelo centralizado no médico, na equipe médica e na equipe de enfermagem. “Eles decidem como conduzir o parto, como e quando as intervenções devem ser realizadas e cabe à mulher acatar e aceitar, pois o saber é deles, e não dela”, conta. Ela defende o parto humanizado, que de forma simples, é quando a mulher faz o parto. A equipe em volta apenas observa, cuida, orienta e ajuda quando há necessidade.

Nesta segunda-feira (19) inicia mais uma Ciranda de Conhecimento, promovida pelo Grupo Zoe – Nascer Divino. A equipe, formada por doulas e profissionais qualificados, abordará temas como a descoberta da gravidez, as fases do trabalho de parto e amamentação. Os encontros serão na Rua Capitão Alendre de Sá, 167, sala 11, no no bairro Dehon, em Tubarão, a partir das 19h30. As vagas são limitadas e a inscrição pode ser feita pelo Whatsapp (48) 98453-7729 ou 98844-2227.

Parto natural é realizado no quarto

Por meio do aprimoramento de novas práticas de assistência ao parto e nascimento foi realizado no Hospital Nossa Senhora da Conceição, de Tubarão, mais um parto natural no quarto. Direcionando atenção especial ao parto fisiológico, os profissionais do Centro Materno Infantil auxiliaram junto à obstetra Dra. Andréa Cordeiro Bongiolo, a gestante e médica Ana Paula Pasin Borger a ter seu bebê em um parto natural em posição de cócoras.

Após três horas em trabalho de parto junto aos seus familiares, a médica deu a luz ao pequeno Heitor, pesando 3.856 quilos e 49 centímetros. Mãe e filho já receberam alta e passam bem.

Durante o trabalho de parto, a paciente Ana Paula teve ao seu lado a médica pré-natalista, além do apoio técnico e emocional da enfermeira obstetra Maikely. A paciente contou ainda com o auxílio de métodos não farmacológicos, tais como bola de bobath, banho terapêutico, massagens e banco de cócoras, indispensáveis para um nascimento seguro e saudável para mãe e bebê, o que permite à gestante, maior sensação de controle da experiência ao parto.

Foto: Amanda Rodrigues Anselmo