Principal GERAL Construção de calçadas interrompe faixa em via lateral da BR-101
Construção de calçadas interrompe faixa em via lateral da BR-101

Construção de calçadas interrompe faixa em via lateral da BR-101

0
0
Trabalhadores e equipamentos seguem alocados sobre via lateral no bordo esquerdo – sentido POA-Florianópolis – próximo ao km 342 da BR-101 em Tubarão. Os trabalhos interrompem uma das faixas de rolagem na rua lateral que liga o viaduto de acesso sul a cidade ao viaduto do bairro São Cristóvão. A frente de serviços está alocada para construir o sistema de drenagem e passeios públicos, dentro do aglomerado urbano, em atividades pertencentes ao lote de obras complementares à duplicação da rodovia federal, no segmento catarinense. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT/SC) recomenda atenção e cuidados redobrados quanto à circulação de veículos e pedestres, nos próximos dias.
Para abrir espaço para os serviços, a plataforma de pistas tem uma das faixas de rolagem interrompida, o que requer atenção redobrada dos usuários que utilizarem esta rua lateral. A identificação da frente de obras está definida pela sinalização provisória de obras, onde a logística de construção – escavadeiras, caminhões e trabalhadores, está exposta ao fluxo local de veículos e pessoas.
A construção dos passeios públicos (calçadas) em aglomerados urbanos lindeiros da BR-101 sul catarinense fazem parte do programa de Melhoria das Travessias Urbanas, constante no conjunto dos 22 programas socioambientais e um Estudo do Plano Básico Ambiental das obras de duplicação. Este programa tem como objetivo atuar sobre possíveis distorções no uso e ocupação do solo, na segregação urbana e intrusão visual. Isto é, o considerável aumento na circulação de veículos em tráfego de longo curso, aliado a velocidade constante, como é o caso da duplicação da rodovia federal em zona urbana, gera certo conflito entre o espaço viário e o espaço urbano. Isso acaba causando sérios impactos para motoristas e pedestres, pois afetam o desempenho operacional das pistas e provocam a perda da qualidade de vida dos núcleos urbanos.
Foto:

Foto: Muriel Ricardo Albonico/ESGA – DNIT/SC